+55 11 3758.5870 - 55 11 9.9961.8727

Eventos

Seminário de Nanotecnologia aplicada à Cosmética: confira a participação da Encosmética!

compartilhar facebook Twitter
A manipulação de moléculas com a finalidade de criar novas estruturas e materiais para aplicação em diversas áreas é o principal objetivo do uso da chamada "nanotecnologia" (o termo "nano" é derivado do grego e significa "anão"), que consiste no estudo da técnica de se encapsular substâncias com diâmetro entre 100 e 500nm (nanômetros; 1nm é a unidade de comprimento e equivale à bilionésima parte de um metro). Seu caráter multidisciplinar e o crescente potencial de utilização na área cosmética foram abordados nesta segunda-feira no Seminário: A Nanotecnologia Aplicada à Cosmética, que a Comissão de Cosméticos do CRQ-IV promoveu com o apoio do Sindicato dos Químicos, Químicos Industriais e Engenheiros Químicos do Estado de São Paulo (Sinquisp).
 
A palestra de abertura foi conduzida pela coordenadora do evento, a Engenheira Química Enilce Maurano Oetterer, integrante da Comissão e sócia diretora da Encosmética. Ela apresentou as definições de nanotecnologia, as relações com as ciências e seus avanços tecnológicos, tendo como foco a tendência na utilização de ativos e materiais encapsulados em aplicações cosméticas. Segundo Enilce, a nanotecnologia foi desenvolvida a partir da década de 1990 e tem tido uma aceitação crescente em diversos campos da Ciência, como Química, Engenharia de Materiais, Farmácia, entre outros.
 
Em seguida, a Farmacêutica-Bioquímica Natália Pereira Cerize, do Núcleo de Bionanomanufatura do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), abordou o tema "Plataformas tecnológicas de nanoencapsulação como estratégia no desenvolvimento de novos produtos cosméticos". Ela citou diversos exemplos de uso da nanotecnologia em cosméticos, tais como o desenvolvimento de marcadores gênicos para aplicações específicas na pele, a exemplo de hidratação e tratamento antienvelhecimento. Também apresentou pesquisas desenvolvidas pelo IPT, como a obtenção de nanopartículas lipídicas empregando cera de carnaúba contendo agente de proteção solar.
 
Também pesquisador do IPT, o Engenheiro Químico Adriano Marim de Oliveira iniciou a terceira palestra da programação situando a esfera de atuação de um instituto de pesquisas como intermediária entre academia e mercado. "Um dos desafios mais importantes é fazer com que projetos desenvolvidos na bancada possam ter a estabilidade necessária para serem viáveis em escala industrial", ressaltou. Diretor do Núcleo de Bionanomanufatura do IPT, Oliveira descreveu formas de síntese e caracterização de partículas.
 
Concluindo o ciclo de palestras do período da manhã, o professor Erick Leite Bastos detalhou o trabalho desenvolvido pelo grupo de pesquisa que coordena no Instituto de Química da USP, voltado para o estudo de pigmentos fluorescentes naturais, visando entender a relação entre a estrutura de uma substância e suas propriedades e criar novas substâncias químicas que possam ter diversas aplicações: desenvolvimento de sondas e marcadores fluorescentes para biologia celular, antioxidantes para aplicação em alimentos e cosméticos, tensoativos biodegradáveis e nanopartículas híbridas fluorescentes.
 
O encerramento do primeiro ciclo do seminário teve uma mesa-redonda com os palestrantes, aberta a perguntas do público.
 
Segundo bloco - A Bacharel em Química Simone Fanan Hengeltraub abriu a programação do período da tarde com a palestra "O uso de métodos alternativos in vitro para avaliação de segurança de nanomateriais". A chamada "nanossegurança" é constituída por procedimentos que visam avaliar se produtos baseados em nanotecnologia são seguros para uso humano, como o que verifica a rota de entrada de uma substância no organismo (por inalação, ingestão, deposição dérmica ou injeção).  Atualmente, Simone cursa doutorado em Biotecnologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e é pesquisadora no Laboratório de Morfogênese e Bioquímica Vegetal da instituição. 
 
Betina Giehl Zanetti Ramos, diretora técnica da empresa Nanovetores, especializada em produtos encapsulados de alta tecnologia localizada em Florianópolis (SC), apresentou dados sobre a nanotecnologia na cosmética, com ênfase nas áreas de aplicação e na eficácia em cosméticos. Entre os benefícios gerados, ela citou o aumento da área superficial de contato dos produtos cosméticos, proporcionado pela utilização de partículas em escala nanométrica.  Para Betina, que é Farmacêutica,  "a nanotecnologia é, hoje, a principal ferramenta para gerar inovações".
 
A última palestra do seminário foi ministrada pelo Engenheiro da Computação Leandro Antunes Berti, especializado em softwares para o desenvolvimento de nanotecnologias, que trabalha como secretário-executivo no Arranjo Promotor de Inovação em Nanotecnologia (API.nano), vinculado à Fundação CERTI (Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras), instalada na UFSC. Além de se aprofundar em alguns aspectos da nanossegurança, sobre a qual escreveu um livro (publicado pela Cengage Learning) sorteado após a sua apresentação, enfatizou a importância de ser desenvolvida uma regulação específica, por parte da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para a nanotecnologia. Desde agosto de 2014, a Anvisa possui um comitê interno específico para tratar do tema, instituído pela Portaria nº 1.358
 
O evento foi encerrado com uma mesa-redonda, aberta a perguntas do público, que reuniu os palestrantes do segundo bloco.
 
Aprimoramento - A Bacharel em Química Rosangela Conrado trabalha no Senai Mario Amato, de São Bernardo do Campo, uma das escolas que possuem cursos certificados com o Selo de Qualidade CRQ-IV. Sobre o seminário, avalia que o conteúdo será importante para a sua trajetória profissional. "Passei a atuar recentemente no Instituto Senai de Inovação, um núcleo voltado para pesquisas com materiais avançados em nanocompósitos. Ao mesmo tempo, como tenho interesse em trabalhar na área de Cosmetologia, o evento se tornou uma boa oportunidade para atualização", relata. 
 
Clique aqui para baixar as apresentações que tiveram a liberação autorizada por palestrantes.
 
Clique aqui para acessar a galeria de fotos publicada na página do Conselho no Facebook.
 
Fonte: CRQ-IV
 

Fotos



He went on to produce his own watches a few years later, and replica watches the Rolex name came about in 1908. In about 1920 he moved to Bienne, Switzerland to open Montres Rolex S.A., which is when everything really begun. Just six years later the brand's hallmark product family would be released. One thing is notably absent from the 1926 Rolex Oyster replica watches. The trademark crown logo is missing. Rolex didn't come up with the crown logo until the early 1930s, but you can see that on one of the pieces the Rolex name was presented in the same font and style that it is in today. You'll also notice the replica watches uk fluted bezel, which is also a hallmark of Rolex design on today's Datejust and Day-Date models (among others) This was part of replica watches the patented water-resistance system employed in the Rolex Oyster. Hermetically sealed, the Rolex Oyster was innovative not just for being able to be taken into the water, but for resisting a range of replica watches sale liquids and particles such as dust from entering the case.