+55 11 3758.5870 - 55 11 9.9961.8727

Eventos

CRQ-IV promoveu o II Seminário sobre Repelentes

compartilhar facebook Twitter
Palestrantes do primeiro bloco participaram de rodada de perguntas aberta ao público
 

Com o apoio do Sindicato dos Químicos, Químicos Industriais e Engenheiros Químicos do Estado de São Paulo (Sinquisp), a Comissão de Cosméticos do CRQ-IV promoveu nesta quinta-feira, dia 6 de abril de 2017, no auditório do Conselho, a segunda edição do Seminário sobre Repelentes. Realizado pela primeira vez no ano passado, o evento, com cerca de 80 profissionais e estudantes inscritos, teve ao longo do dia apresentações de especialistas que abordaram tendências em Pesquisa & Desenvolvimento de produtos repelentes, além de aspectos mercadológicos e regulatórios.

O primeiro palestrante foi o entomologista e pesquisador João Paulo Correia Gomes (foto), que detalhou a epidemiologia de cinco doenças: malária, dengue, chikungunya, zika e febre amarela. Ao destacar esta última, fez um alerta sobre os casos recentes (em especial, no estado do Rio de Janeiro) e a importância da vacinação, especialmente para aqueles que precisam ir até alguma localidade dentro da chamada "área endêmica" (regiões Norte e Centro-Oeste do Brasil). 

Segurança e toxicidade dos produtos repelentes de insetos foram os principais assuntos na palestra da Química Maria Inês Harris, diretora do Instituto Harris, empresa especializada em avaliação de segurança de produtos e ingredientes. Segundo ela, a maior parte dos produtos cosméticos disponíveis no mercado não são devidamente testados antes de chegarem ao consumidor final. Maria Inês salientou que os testes são decisivos para detectar possíveis toxicidades que podem causar irritabilidade ocular ou cutânea, por exemplo.

A Engenheira Química Enilce Maurano Oetterer, integrante da Comissão de Cosméticos do CRQ-IV, apresentou o panorama atual do uso de repelentes no Brasil, que é o 4º maior mercado consumidor do produto no mundo (ficando atrás somente dos EUA, do Canadá e da Argentina). De acordo com a profissional, que é diretora da consultoria Encosmética, entre os fatores que afetam o mercado global estão o crescimento da incidência de doenças transmitidas por mosquitos, o aumento da temperatura global e as ações de marketing e posicionamento estratégico das empresas fabricantes. 

 

Silvana abordou perspectiva global

Encerrando o primeiro ciclo, o médico pediatra Anthony Wong, especializado em toxicologia, apresentou aspectos clínicos no uso de repelentes e os principais tipos disponíveis no mercado, tais como o óleo de eucalipto-limão e a citronela. Wong é diretor médico do Centro de Assistência Toxicológica (Ceatox) do Instituto da Criança, vinculado ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. 

O bloco foi concluído com uma rodada de perguntas aos palestrantes, feitas pelo público. 

Segundo bloco - A programação da tarde foi aberta com a palestra "Perspectiva global: novas tecnologias de formulações e aplicações", ministrada pela Engenheira Química Silvana Kitadai Nakayama, gerente de Tecnologia de Aplicação para a América Latina da multinacional Merck. Ela apresentou as mais recentes tendências do mercado de repelentes, que teve um crescimento acentuado em decorrência do aumento de casos de zika vírus, ocorrido no ano passado. De acordo com a Engenheira, alguns dos produtos que tiveram um crescimento significativo na demanda foram os protetores solares que incluem proteção contra insetos e os repelentes para uso profissional, utilizados como equipamentos de proteção individual. 

 

Izabel é pesquisadora na Kimberly-Clark

A última palestra do encontro ficou a cargo da pesquisadora Marcia Regina Ranzani, do Laboratório ASR, que apresentou estudos de eficácia de produtos cosméticos repelentes de insetos. Os principais eixos da palestra foram: legislação brasileira, metodologias para avaliar a eficácia e fatores que influenciam no tempo de repelência. 

O seminário foi encerrado com uma rodada de perguntas direcionadas pelos participantes às palestrantes do segundo bloco.


Expectativas - A Bacharel em Química Izabel Cristina Borem da Silva, de Santo André, trabalha como pesquisadora no desenvolvimento de formulações na Kimberly-Clark, sediada em Suzano. Para ela, o seminário foi além das expectativas em termos de aquisição de conhecimentos. "O evento foi muito esclarecedor por ter dado um panorama completo, desde o desenvolvimento das formulações, passando pela escolha dos ingredientes, até os aspectos mercadológicos, relacionados ao consumidor final", salientou. 

Clique aqui para conferir a galeria de fotos na página do CRQ-IV no Facebook.

Clique aqui para baixar as apresentações cedidas pelos palestrantes.

Fotos



He went on to produce his own watches a few years later, and replica watches the Rolex name came about in 1908. In about 1920 he moved to Bienne, Switzerland to open Montres Rolex S.A., which is when everything really begun. Just six years later the brand's hallmark product family would be released. One thing is notably absent from the 1926 Rolex Oyster replica watches. The trademark crown logo is missing. Rolex didn't come up with the crown logo until the early 1930s, but you can see that on one of the pieces the Rolex name was presented in the same font and style that it is in today. You'll also notice the replica watches uk fluted bezel, which is also a hallmark of Rolex design on today's Datejust and Day-Date models (among others) This was part of replica watches the patented water-resistance system employed in the Rolex Oyster. Hermetically sealed, the Rolex Oyster was innovative not just for being able to be taken into the water, but for resisting a range of replica watches sale liquids and particles such as dust from entering the case.