+55 11 3758.5870 - 55 11 9.9961.8727

Artigos

USP fortalece parcerias com empresas privadas para gerar inovação

compartilhar facebook Twitter
A professora doutora Patrícia Maia Campos, fundadora do Núcleo de Estudos Avançados em Tecnologia de Cosméticos da Universidade de São Paulo, acredita que o primeiro lugar no State of Innovation 2016 deve atrair mais investimentos para pesquisas do setor no país.
 
Que o Brasil é um dos maiores consumidores de cosméticos, o mundo todo já sabe. Mas que o país tem uma instituição pública de ensino que é líder em pesquisas científicas em cosmetologia pode ser uma boa surpresa para grande parte do mercado. A USP (Universidade de São Paulo) conquistou a primeira posição no estudo State of Innovation 2016, realizado pela Thomson Reuters, e ficou à frente de nomes de peso no ramo científico, como a agência Food and Drug Administration (FDA), responsável por testes de produtos alimentícios, farmacêuticos e de beleza nos EUA, a gigante multinacional Procter & Gamble e a universidade norte-americana Harvard.
 
Criado para analisar os dados globais de propriedade intelectual como principais indicadores de inovação, o estudo fez o levantamento dos depósitos de patentes e publicações científicas datadas de 2005 a 2015 em doze áreas tecnológicas, incluindo eletrodomésticos, equipamentos médicos, telecomunicações e biotecnologia. Dentro da categoria cosméticos e bem-estar, a USP publicou neste período 177 artigos, seguida pela FDA, com 108.
 
“O destaque alcançado pela USP é de grande relevância, pois mostra o engajamento dos grupos de pesquisadores na universidade. Este reconhecimento nos garantirá apoio e recursos para mantermos esta posição”, diz a Prof. Dra. Patrícia Maia Campos, que há mais de 20 anos atua com pesquisa e desenvolvimento de cosméticos.
 
Em 1998, ela fundou o Núcleo de Estudos Avançados em Tecnologia de Cosméticos (NEATEC), dentro da Faculdade de Ciências Farmacêuticas. Localizado no campus de Ribeirão Preto, ele é responsável por grande parte dos artigos e patentes da universidade no setor de beleza. “O primeiro desafio enfrentado foi o reconhecimento da área cosmética como ciência na universidade para a obtenção da infraestrutura adequada e apoio para a realização de pesquisas de ponta”, afirma Campos.
 
Hoje, o NEATEC desenvolve diferentes projetos em cosmetologia, que vão desde a criação de formulações inovadoras para diversos tipos de peles e cabelos até a sua comprovação científica de eficácia, utilizando técnicas avançadas de biofísica não invasivas. O núcleo contribui com empresas cosméticas e de produtos dermatológicos, além de ser responsável pela divulgação de alertas científicos para comitês de saúde e a formação de mestres e doutores.
 
Para chegar à liderança no State of Innovation, Campos aponta o suporte fundamental de instituições de apoio à pesquisa, como a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo), e parcerias com o setor produtivo. “Para que a USP possa manter a excelência na área de cosméticos, alavancando ainda mais os resultados obtidos na última década, é necessário alinhar a pesquisa às necessidades do mercado. Firmar parcerias com as empresas é o meio mais rápido para gerar inovação”, declara.
 
Os estudos de seu núcleo apontam algumas tendências para o futuro do setor. A professora destaca a aplicação da nanotecnologia no desenvolvimento de fotoprotetores mais eficazes, a criação de novos produtos dermocosméticos multifuncionais e pesquisas que explorem o mecanismo de ação de substâncias ativas com potenciais benefícios para aplicação em cosméticos.
 
Renata Martins
 
Fonte: Brazil Beauty News

He went on to produce his own watches a few years later, and replica watches the Rolex name came about in 1908. In about 1920 he moved to Bienne, Switzerland to open Montres Rolex S.A., which is when everything really begun. Just six years later the brand's hallmark product family would be released. One thing is notably absent from the 1926 Rolex Oyster replica watches. The trademark crown logo is missing. Rolex didn't come up with the crown logo until the early 1930s, but you can see that on one of the pieces the Rolex name was presented in the same font and style that it is in today. You'll also notice the replica watches uk fluted bezel, which is also a hallmark of Rolex design on today's Datejust and Day-Date models (among others) This was part of replica watches the patented water-resistance system employed in the Rolex Oyster. Hermetically sealed, the Rolex Oyster was innovative not just for being able to be taken into the water, but for resisting a range of replica watches sale liquids and particles such as dust from entering the case.