+55 11 3758.5870 - 55 11 9.9961.8727

Artigos

Proibição dos microplásticos em cosméticos

compartilhar facebook Twitter

 
Vem caminhando nos Estados Unidos há muitos anos, um projeto de proibição das esferas de polietileno em Produtos de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. Até o momento 9 Estados já proibiram o uso e o texto caminha para aprovação nacional. Sabemos bem o que isso significa, pois já vimos esse filme algumas vezes. As esferas de polietileno, ou microplásticos, serão proibidas em todo o mundo e o Brasil vai caminhar lentamente nesse sentido, vamos ter momentos de tensão e expectativa, pois o mercado ficará repleto de oferta e o custo desses ingredientes vai despencar (imagina, tem um ingrediente baratíssimo para incluir na sua fórmula, já pensou?), todos vão lançar produtos com esses ingredientes e quando forem proibido todos terão que retrabalhar para retirar esses microplásticos de seus produtos. OK, concordo que meu cenário foi bem apocalíptico, mas a minha visão disso tudo é, na verdade, bastante integrada. Esses ingredientes estão sendo proibidos por causa de seu impacto ambiental – e isso não é conversa de ecologista.
 
Os microplásticos são partículas poliméricas sintéticas cujo tamanho varia entre 1 e 5 milímetros. A maioria são microesferas de polietileno, mas também podem ser de polipropileno. Devido ao seu tamanho, esses microplásticos são capazes de passar pelo sistema de filtragem das plantas industriais e são despejados no meio ambiente, poluindo as águas. A preocupação maior é que eles são capazes de impactar toda a cadeia alimentar, pois são ingeridos por peixes e outros animais marinhos.
 
Esses ingredientes são eram muito utilizados como agentes esfoliantes físicos em produtos esfoliantes. Por essa razão, a tendência atual entre os fabricantes de cosméticos é a movimentação natural para as alternativas biodegradáveis.

Como já mencionado, as esferas de polietileno já foram proibidas em parte dos Estados Unidos. Lá, os fabricantes de cosméticos terão até janeiro de 2018 para se adaptarem à nova norma. Em Julho de 2015 o Canadá anunciou a intenção de também banir esses microplásticos e na União Europeia há uma recomendação de descontinuar o seu uso.

E no Brasil, quando vamos nos posicionar? Nós já possuímos alternativas biodegradáveis sendo oferecidas pelos fornecedores por aqui. Prefira elas. Já se antecipe e substitua as esferas plásticas em seus produtos, não espero ser proibido ou seu produto ser barrado em uma exportação. Só vamos fazer bem a todos, fabricantes, fornecedores, consumidores e meio-ambiente. Algumas empresas globais já declararam seus planos para eliminar microplásticos de seus produtos (ou mesmo já os eliminaram), tais como Unilever, Procter & Gamble, Johnson & Johnson, Beiesdorf, Colgate-Palmolive e L’Oréal.
 
Fonte: Cosmética em Foco

He went on to produce his own watches a few years later, and replica watches the Rolex name came about in 1908. In about 1920 he moved to Bienne, Switzerland to open Montres Rolex S.A., which is when everything really begun. Just six years later the brand's hallmark product family would be released. One thing is notably absent from the 1926 Rolex Oyster replica watches. The trademark crown logo is missing. Rolex didn't come up with the crown logo until the early 1930s, but you can see that on one of the pieces the Rolex name was presented in the same font and style that it is in today. You'll also notice the replica watches uk fluted bezel, which is also a hallmark of Rolex design on today's Datejust and Day-Date models (among others) This was part of replica watches the patented water-resistance system employed in the Rolex Oyster. Hermetically sealed, the Rolex Oyster was innovative not just for being able to be taken into the water, but for resisting a range of replica watches sale liquids and particles such as dust from entering the case.