+55 11 3758.5870 - 55 11 9.9961.8727

Artigos

Maquiagem ecológica: o novo padrão?

compartilhar facebook Twitter
A demanda dos consumidores por cosméticos naturais e ecológicos vem crescendo continuamente. Muitas Indie brands estão atendendo a essa demanda, em particular nos Estados Unidos, e se estabelecendo com promessas de produtos que adicionam inúmeros atributos: "ecológicos + limpos + éticos + eficientes + com personalidade + que proporcionam alegria de viver". A tendência, que já se afirmou no segmento de cuidados da pele, é praticamente invisível no setor de maquiagem na França. Qual o potencial futuro desse mercado? O mundo será em breve submerso por uma onda de produtos de maquiagem ecológicos?
 
Antes de mais nada, é bom lembrar que "ecológico" abrange uma ampla definição, reunindo diversos imaginários e realidades (biodiversidade, ecoconsciência, produtos naturais, veganos, orgânicos, cruelty-free, etc.). A rima recitada pelos consumidores diz tudo: "green is clean". Os aspectos segurança e saúde são primordiais, e a origem natural dos produtos é, de longa data, um sólido vetor de garantia – contanto que essa origem natural seja a mais clara e simples possível: sem substâncias tóxicas, pura e não industrializada.
 
Embora "61% dos franceses e alemães e 66% dos italianos e espanhóis confiem nas marcas de cosméticos que utilizam produtos naturais", constatamos, por outro lado, que "apenas 30% dos franceses confiam na indústria de beleza no que diz respeito à segurança dos produtos (39% na Inglaterra)". Portanto, ainda há muito trabalho pela frente para conquistar plenamente a confiança dos consumidores e ajudá-los a identificar referências seguras.
 
O segmento de maquiagem é o campeão de vendas no mercado global de cosméticos, com um crescimento de 6 pontos percentuais na Europa Ocidental e de 2 pontos percentuais na América do Norte e nos novos mercados [4]. Paralelamente, o segmento de cosméticos "verdes" vem registrando um crescimento contínuo. Nada mais lógico, portanto, que essas duas características – maquiagem e ecologia – estejam reunidas em um grande número de produtos.
 
A verdade, porém, é que esse tipo de cosmético ainda é pouco conhecido na Europa e na Ásia (nesse continente, o país em que a categoria está mais bem posicionada é o Japão). Nos Estados Unidos, em compensação, os produtos de maquiagem ecológicos já conquistaram popularidade, em grande parte graças a blogueiras, vlogueiras e instaqueens que contribuíram para que esse segmento se tornasse aspiracional e beauty must-have. Alguns defensores, como a Credo Beauty, não hesitam em incentivar abertamente as consumidoras a virarem as costas às marcas convencionais, sugerindo alternativas para cada categoria (as chamadas clean beauty swaps). A título de exemplo, o site recomenda as bases Studio 78 Paris e W3ll People para substituir os produtos da Lancôme, Estée Lauder e bareMinerals.
 
Exatamente como aconteceu com os cosméticos orgânicos na década de 2000, os consumidores se mostram preocupados com a qualidade e o preço dos produtos de maquiagem ecológicos. Outros, por hora, nem mesmo vislumbram a possibilidade de usar esse tipo de produto. No extremo oposto, algumas consumidoras se mostram sensíveis ao fato de que a maquiagem entra em contato direto com a pele e, por isso mesmo, é importante que seja um produto saudável, atuando como um escudo contra a crescente poluição ambiental: “Using organic cosmetic products, it makes me feel relieved concerning a bad outdoor environment (e.g. fine dust)”. 
 
Outras declaram misturar produtos de naturezas diferentes, como a atriz Emma Watson: “Most of my routine keeps to an 80/20 philosophy because it’s very difficult to be a complete purist. You can end up driving yourself a bit mad and make it more stressful than it should be. Sometimes you just need a mascara to be waterproof and that’s okay.”
 
Naturalmente, a questão das alergias e irritações é uma das razões que levam a mudanças na escolha de produtos: “I have used green cosmetics for several years when I had an allergic reaction with a cream purchased in supermarket!” 
 
Já se foi o tempo em que as embalagens desses produtos eram de papelão e/ou totalmente desprovidas de glamour, mas os primeiros cosméticos ecológicos tiveram o mérito de inaugurar a categoria (Couleur Caramel, Terre d’Oc e Dr. Hauschka, que relançou sua linha de produtos no primeiro semestre). Nos últimos sete anos, marcas como RMS e KJW têm apostado no design, ao mesmo tempo em que reforçam a eficácia dos produtos – uma filosofia também adotada por muitas marcas recém-chegadas ao mercado (Zao Organics, Ilia Beauty, Boho, etc.).
 
Apesar de tudo, persistem os questionamentos quanto à resistência, à textura e ao leque menor de cores disponíveis nos cosméticos ecológicos. Só mesmo as usuárias incondicionais (como as da Aroma-Zone) superaram essa apreensão. Em relação aos fabricantes, o grande desafio é encontrar alternativas ecológicas para determinadas matérias-primas (como silicones), tanto no aspecto sensorial como de desempenho. Procurando bem, vemos que existem soluções interessantes (com o uso de ésteres ou óleos voláteis vegetais e/ou espessantes naturais), mas essas matérias-primas podem ser até três vezes mais caras.
 
Para concluir, em meio à crescente demanda dos consumidores por produtos mais naturais, ao recrudescimento de alergias (segundo a OMS, 50% da população mundial sofrerá de alergias em 2050) e ao potencial de crescimento que essa nova categoria oferece ao setor de cosméticos no plano mundial, é muito provável que as equipes de P&D e os fabricantes comecem a se mexer mais rápido para baixar os custos de produção e padronizar o mercado, garantindo produtos naturais realmente dignos desse nome.
 
Outro possível caminho para o sucesso da maquiagem ecológica é assimilar definitivamente a modernidade dos recursos de comunicação contemporâneos – a exemplo do que fizeram as Indie brands -, a fim de preparar-se para o impacto do novo modelo "Clean 2.0", em plena ascensão no setor de alimentos nos Estados Unidos.
 
Pascale Brousse
Fonte: Brazil Beauty News

He went on to produce his own watches a few years later, and replica watches the Rolex name came about in 1908. In about 1920 he moved to Bienne, Switzerland to open Montres Rolex S.A., which is when everything really begun. Just six years later the brand's hallmark product family would be released. One thing is notably absent from the 1926 Rolex Oyster replica watches. The trademark crown logo is missing. Rolex didn't come up with the crown logo until the early 1930s, but you can see that on one of the pieces the Rolex name was presented in the same font and style that it is in today. You'll also notice the replica watches uk fluted bezel, which is also a hallmark of Rolex design on today's Datejust and Day-Date models (among others) This was part of replica watches the patented water-resistance system employed in the Rolex Oyster. Hermetically sealed, the Rolex Oyster was innovative not just for being able to be taken into the water, but for resisting a range of replica watches sale liquids and particles such as dust from entering the case.