+55 11 3758.5870 - 55 11 9.9961.8727

Artigos

Governo galês proibirá o uso de microesferas

compartilhar facebook Twitter
O País de Gales tornou-se o último país a proibir o uso de microesferas de plástico em cosméticos, seguindo a mesma decisão do governo do Reino Unido em setembro de 2016.
 
Apesar da decisão anterior do Reino Unido, a administração descentralizada na Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte faz com que estes países devem aprovar a sua própria legislação para que a mesma proibição entre em vigor.
 
Na sequência da decisão, o secretário de gabinete do Meio Ambiente e Assuntos Rurais, Lesley Griffiths, afirmou: "O governo galês também estará implementando uma proibição no fabrico e venda de cosméticos e produtos de higiene pessoal contendo microesferas de plástico”.
 
"Haverá uma consulta pública no final deste ano sobre como a proibição será implementada e aplicada no País de Gales. Proibir esses produtos ajudará a reduzir os plásticos que entram no ambiente marinho".
 
Sucesso para Greenpeace
 
A decisão vem em resposta a uma maré crescente de opiniões contrárias ao uso de microesferas não-biodegradáveis ​​em produtos como esfoliantes corporais e géis de banho, que causam poluição marinha e apresentam riscos potenciais para a saúde humana.
 
Um número crescente de grandes players da indústria está intensificando voluntariamente seus esforços para erradicar os microplásticos de seus produtos: a L'Oréal, por exemplo, confirmou a reformulação de seus produtos de lavagem para remover microesferas de plástico como agentes de limpeza ou esfoliantes no início deste ano.
 
As notícias da última proibição serão bem vindas por organizações ambientais como a Greenpeace, que no ano passado publicou uma pesquisa classificando os maiores produtores de cosméticos do mundo em seus compromissos com as microesferas e instou os governos de todo o mundo a implementar uma proibição de seu uso.
 
Uma tendência global
 
Na Inglaterra, a proibição de fabricação do governo está prevista para começar em 1º de janeiro de 2018, enquanto a proibição de venda começará em 30 de junho de 2018.
 
Na França, uma lei publicada em agosto de 2016 proíbe as microesferas em produtos enxaguantes a partir de 1º de janeiro de 2018, enquanto nos EUA, uma lei que proíbe as microesferas de plástico entrou em ação no dia 1º de julho deste ano.
 
O governo da Nova Zelândia recentemente confirmou que as microesferas de plástico também serão banidas em maio de 2018, com mais países seguindo o exemplo.
 
No momento, apenas uma empresa no País de Gales fabrica produtos cosméticos que contêm microesferas, que agora serão eliminadas.
 
Fonte: Cosmetics Design Europe

He went on to produce his own watches a few years later, and replica watches the Rolex name came about in 1908. In about 1920 he moved to Bienne, Switzerland to open Montres Rolex S.A., which is when everything really begun. Just six years later the brand's hallmark product family would be released. One thing is notably absent from the 1926 Rolex Oyster replica watches. The trademark crown logo is missing. Rolex didn't come up with the crown logo until the early 1930s, but you can see that on one of the pieces the Rolex name was presented in the same font and style that it is in today. You'll also notice the replica watches uk fluted bezel, which is also a hallmark of Rolex design on today's Datejust and Day-Date models (among others) This was part of replica watches the patented water-resistance system employed in the Rolex Oyster. Hermetically sealed, the Rolex Oyster was innovative not just for being able to be taken into the water, but for resisting a range of replica watches sale liquids and particles such as dust from entering the case.