+55 11 3758.5870 - 55 11 9.9961.8727

Artigos

Garantindo a estabilidade da cor em cosméticos coloridos

compartilhar facebook Twitter
Os cosméticos coloridos, como maquiagens, batons e esmaltes, têm a vantagem de contar com a atratividade visual da cor do produto (diferentemente de cremes e loções, por exemplo, que não vão muito além do branco ou do levemente amarelado). A combinação de pigmentos e corantes nessas formulações resulta em infinitas possibilidades, atendendo aos mais diversos gostos e, possivelmente representando o principal critério na decisão de compra. Justamente por se tratar de um grande diferencial desses produtos, é importante garantir que a cor seja estável ao longo de todo o prazo de validade.
 
Vamos primeiro relembrar porque a cor desses produtos pode se alterar com o tempo! Os pigmentos ou corantes utilizados nesses produtos para conferir a cor final são substâncias químicas que podem ter origem na natureza (por exemplo: Carmine, Iron Oxides, Titanium Dioxide e Betacarotene etc.) ou serem sintetizados (Erythrosin, Ultramarines e diversas lacas). Alguns desses ingredientes são sensíveis a alguns fatores e podem perder sua coloração com o tempo. Entre esses fatores, os mais comuns são: a temperatura, a luz ultravioleta, o pH e a hidrólise (quando reagem com a água!).
 
Normalmente, os pigmentos de origem mineral, em particular, os óxidos metálicos, tendem a ser mais estáveis quimicamente (por ex.: Iron Oxides, Titanium Dioxide). Alguns pigmentos e corantes, em especial aqueles de origem natural, podem descolorir se submetidos a altas temperaturas. Outros sofrem mudanças na sua estrutura química quando expostos à radiação ultravioleta (luz solar, por exemplo!). Enfim, outros mudam de cor conforme o pH (como as antocianinas!) ou ainda tem sua estrutura química alterada quando usados em formulações com alto teor de água. Contudo, o pH e a hidrólise tendem a ser menos preocupantes na formulação de maquiagens, batons e esmaltes, pois tais produtos costumam ser anidros (não contêm água).
 
Então, como proteger os cosméticos coloridos do efeito desses fatores que degradam a cor? Em se tratando da temperatura, as indústrias espontaneamente vão evitar processos de fabricação que envolvam altas trocas de calor, até porque esses processos são mais caros. Em alguns casos, especialmente para a produção de batons sólidos, o aquecimento é imprescindível e será preciso escolher pigmentos e corantes mais estáveis. Orientar os distribuidores e consumidores a não expor o produto à fontes de calor também é relevante para garantir a estabilidade ao longo de todo o tempo de prateleira.
 
Já no caso da luz ultravioleta, uma ferramenta é adicionar filtros solares como as benzofenonas (Benzophenone-3 e Benzophenone-4), em concentrações de 0,1% a 2%, que não são suficientes para garantir um Fator de Proteção Solar relevante, mas que são capazes de estabilizar a fórmula e proteger os pigmentos e corantes contra a oxidação. A adição de antioxidantes, como vitaminas e BHT, também pode ter um efeito auxiliar na proteção da cor. Por fim, e tão importante quanto, a escolha de uma embalagem adequada capaz de proteger o produto contra a luz é primordial.
 
O batom exemplificado na imagem contém 0,5% de benzofenona-4 e os pigmentos utilizados são todos lacas e o dióxido de titânio. Embora a benzofenona nesse exemplo não tenha sido suficiente para evitar a mudança da cor, talvez sua ausência tivesse resultado numa tonalidade ainda mais fraca. No entanto, em condições normais, um batom não ficaria exposto à luz por tanto tempo, já que a maioria dos batons vêm com tampas opacas, em vez de transparentes. De qualquer forma, o uso do filtro solar ainda pode ser relevante para proteger a cor dos efeitos da luz ultravioleta nos breves períodos em que o batom fica descoberto, durante o uso. Curiosamente, esmaltes muitas vezes são embalados em frascos transparentes e parecem se manter estáveis por mais tempo…
 
Recapitulando: a cor é um importante fator na hora da compra. Contudo, por mais que o consumidor tenha a curiosidade de ver a cor do produto antes de comprá-lo, às vezes é preciso recorrer a embalagens opacas para garantir a estabilidade da cor ao longo do tempo! Finalmente, para proteger a cor do produto é possível tomar as seguintes medidas:
 
- selecionar os pigmentos e corantes mais estáveis;
- adicionar aditivos ou ingredientes funcionais capazes de proteger a cor do produto; e
- escolher embalagens que preservem as características originais do produto!
 
Fonte: Cosmética em Foco

He went on to produce his own watches a few years later, and replica watches the Rolex name came about in 1908. In about 1920 he moved to Bienne, Switzerland to open Montres Rolex S.A., which is when everything really begun. Just six years later the brand's hallmark product family would be released. One thing is notably absent from the 1926 Rolex Oyster replica watches. The trademark crown logo is missing. Rolex didn't come up with the crown logo until the early 1930s, but you can see that on one of the pieces the Rolex name was presented in the same font and style that it is in today. You'll also notice the replica watches uk fluted bezel, which is also a hallmark of Rolex design on today's Datejust and Day-Date models (among others) This was part of replica watches the patented water-resistance system employed in the Rolex Oyster. Hermetically sealed, the Rolex Oyster was innovative not just for being able to be taken into the water, but for resisting a range of replica watches sale liquids and particles such as dust from entering the case.