+55 11 3758.5870 - 55 11 9.9961.8727

Artigos

Austrália reforma regulação cosmética NICNAS

compartilhar facebook Twitter
Grandes mudanças que afetam a indústria de cosméticos da Austrália entrarão em vigor em 1º de setembro de 2018, com algumas mudanças propostas já em vigor desde 1º de setembro de 2016, relata Chemlinked.
 
Quarta consulta
 
Em 23 de dezembro de 2016, o Sistema Nacional de Notificação e Avaliação de Substâncias Químicas Industriais (NICNAS) anunciou que continuaria seu período de consulta em 2017 sobre a implementação das reformas e está atualmente reunindo informações sobre o cronograma das atividades.
 
A NICNAS publicou o seu quarto documento de consulta e solicitou a opinião pública sobre as atualizações propostas.
 
A Austrália anunciou o NICNAS proposto – o regulamento do país para produtos químicos, incluindo cosméticos -, uma vez que pretendia simplificar o processo. A intenção é que as atualizações beneficiarão tanto os fabricantes quanto os importadores, reduzindo ao mesmo tempo a carga regulatória na indústria de cosméticos do país.
 
Embora a maioria das alterações não seja totalmente implementada até 1º de setembro de 2018, já que os documentos de consulta precisam ser recolhidos e analisados, alguns já estão em funcionamento desde 1º de setembro de 2016.
 
Fazendo o mercado balançar
 
As mudanças ocorrerão à medida que a Austrália pretende aumentar sua competitividade no mercado global.
 
Em junho de 2016, a Euromonitor International divulgou seu relatório sobre o segmento de beleza e cosméticos na Austrália, que mostrou que havia experimentado um crescimento moderado em 2015.
 
Com a presença de notáveis ​​marcas globais como a L'Oréal Austrália, Procter & Gamble Austrália, Unilever Austrália, Colgate-Palmolive e Sephora, espera-se que este crescimento irá aumentar seu lugar no mercado global.
 
Simplicidade ou complexidade?
 
No entanto, especialistas da indústria estão prevendo exatamente o oposto com as reformas criando uma maior complexidade. A associação comercial europeia afirmou que "a proposta atual aumenta a complexidade para a indústria, está fora de linha com outras economias globais e é improvável que produza uma redução significativa na excessiva regulação de produtos de baixo risco cotidianos, como cosméticos".
 
As reformas centrar-se-ão num sistema regulamentar proporcional baseado no risco, que incluirá um reequilíbrio dos requisitos regulamentares pré e pós-mercado para os novos produtos químicos; um processo simplificado de avaliação de riscos existente para produtos químicos novos e existentes; maior utilização de critérios de avaliação internacionais e ferramentas de conformidade mais adequadas.
 
Categorização química
 
Esta estratégia de análise baseada em risco será aplicada a perfis químicos individuais. Esses produtos químicos serão classificados em três categorias: isento, relatado (baixo risco) e avaliado (risco médio a alto).
 
Os produtos químicos "isentos" receberão entrada automática e não precisarão de uma avaliação pré-entrada ou de uma declaração anual de conformidade pós-comercialização. Empresas com produtos químicos que se enquadram nesta categoria só serão obrigados a manter registros e passar por auditorias para garantir a segurança e conformidade.
 
Os produtos químicos que se enquadrem na categoria "relatada" de baixo risco realizarão uma notificação de autoavaliação e pré-comercialização. Eles também devem enviar uma declaração anual de conformidade ao NICNAS e receber uma auditoria anual da organização de registro.
 
A categoria "avaliada" é a mais abrangente, uma vez que estipula que é necessário um certificado de avaliação antes da introdução e uma avaliação dos riscos. Afirma igualmente que um certificado pode incluir indicações e pode ser recusado se o risco não puder ser gerido. A NICNAS também realizará avaliações de pós-comercialização e pós-comercialização se surgirem novos riscos.
 

Multi-milhões de economia?
 
Enquanto muitos argumentam que este critério irá resultar em dificuldades acrescidas na promoção do mercado de cosméticos da Austrália e, em vez disso, desencorajar novas empresas de entrar devido à "complexidade do sistema e nível de informação necessária", as autoridades australianas acreditam que as mudanças irão reduzir a carga de regulamentação de US $ 23 milhões por ano, devido a menores custos de entrada no mercado e outros custos associados a produtos químicos.
 
Em 2015, o ministro Nash disse que o governo planejou fazer um investimento adiantado de $ 7 milhões (€ 6.6 milhões) para permitir que os custos cheios da reforma sejam recuperados sobre um período de tempo mais longo.
 
"Essas mudanças significam que os produtos químicos industriais de baixo risco chegarão ao mercado mais rapidamente, permitindo que as empresas criem novos produtos, bem como versões mais seguras dos produtos existentes", informou a senadora Fiona Nash, ministra do Desenvolvimento Regional em um comunicado do governo.
 
Fonte: Cosmetics Design Asia

He went on to produce his own watches a few years later, and replica watches the Rolex name came about in 1908. In about 1920 he moved to Bienne, Switzerland to open Montres Rolex S.A., which is when everything really begun. Just six years later the brand's hallmark product family would be released. One thing is notably absent from the 1926 Rolex Oyster replica watches. The trademark crown logo is missing. Rolex didn't come up with the crown logo until the early 1930s, but you can see that on one of the pieces the Rolex name was presented in the same font and style that it is in today. You'll also notice the replica watches uk fluted bezel, which is also a hallmark of Rolex design on today's Datejust and Day-Date models (among others) This was part of replica watches the patented water-resistance system employed in the Rolex Oyster. Hermetically sealed, the Rolex Oyster was innovative not just for being able to be taken into the water, but for resisting a range of replica watches sale liquids and particles such as dust from entering the case.