+55 11 3758.5870 - 55 11 9.9961.8727

Artigos

A Irlanda está agora a tomar medidas para proibir microesferas

compartilhar facebook Twitter
Um ministro do governo irlandês fez um movimento no sentido de introduzir uma proibição de microesferas na Irlanda.
 
Simon Coveney, ministro do Governo Local, deve iniciar uma consulta pública de seis semanas sobre uma proposta de proibição legislativa de produtos específicos que contenham microesferas de plástico.
 
Em linha com muitas outras proibições regionais que até agora foram introduzidas em microesferas, o movimento proposto eliminaria microplásticos em uma gama de produtos, incluindo cosméticos, pastas de dentes e detergentes.
 
Poluente significativo
 
De acordo com o Irish Times, Coveney disse que a poluição microplástica é "um dos mais significativos desafios ambientais marinhos do século 21".
 
Se a Irlanda prosseguir com a proibição proposta, estaria juntando-se a vários outros mercados importantes ao fazê-lo: o Canadá já tornou ilegal o uso de microplásticos em certos produtos e o Reino Unido e os EUA estão prontos para seguir o exemplo este ano.

Questão internacional
 
A Irlanda é um dos vários países da UE que se dizia desejosa de ver uma proibição sobre o poluente entrar em vigor à toda a UE.
 
Na verdade, Coveney é bastante franco sobre a necessidade de cooperação transfronteiriça sobre a questão, tendo afirmado a Seanad em novembro passado que nenhum país será capaz de resolver o problema sozinho.
 
"Embora uma proibição interna possa enviar uma mensagem positiva, proibir efetivamente o uso de microesferas por uma população de mais de 500 milhões seria muito mais eficaz do que proibi-las em uma população de menos de 5 milhões isolados", disse ele.
 
Cosméticos: não é o grande culpado
 
Enquanto a indústria de beleza e cuidados pessoais tem sido pró-ativa na reformulação de produtos para remover microesferas e em muitos casos tem feito esforços voluntários para fazê-lo, vários órgãos e figuras também enfatizaram que os produtos cosméticos não são o principal responsável pela poluição microplástica em áreas marinhas. 
 
Dr. Chris Flower, Diretor-Geral do principal órgão da indústria do Reino Unido, o CTPA, é uma dessas figuras.
 
"Se quisermos conter a maré de lixo marinho microplástico, devemos atacar as principais fontes e estas não são produtos cosméticos", disse ele.
 
"Estamos, portanto, satisfeitos por ver que a consulta pública do governo também buscará informações sobre as outras fontes de microplásticos no meio marinho, muitas das quais sabemos que vem da quebra de itens plásticos maiores".
 
Fonte: Cosmetics Design Europe

He went on to produce his own watches a few years later, and replica watches the Rolex name came about in 1908. In about 1920 he moved to Bienne, Switzerland to open Montres Rolex S.A., which is when everything really begun. Just six years later the brand's hallmark product family would be released. One thing is notably absent from the 1926 Rolex Oyster replica watches. The trademark crown logo is missing. Rolex didn't come up with the crown logo until the early 1930s, but you can see that on one of the pieces the Rolex name was presented in the same font and style that it is in today. You'll also notice the replica watches uk fluted bezel, which is also a hallmark of Rolex design on today's Datejust and Day-Date models (among others) This was part of replica watches the patented water-resistance system employed in the Rolex Oyster. Hermetically sealed, the Rolex Oyster was innovative not just for being able to be taken into the water, but for resisting a range of replica watches sale liquids and particles such as dust from entering the case.